Quem Sou

Sou um homem das comunicações, mas acho que isso todos somos, afinal, quem não se comunica? Somos seres comunicativos e a comunicação nos faz ser o que somos. Somente alcançamos o topo da cadeira evolutiva porque aprendemos nos comunicar de maneira mais completa, rápida e eficaz que nossos concorrentes. A comunicação é a alma de todo o processo evolutivo.

Nasci em Redentora, Rio Grande do Sul, em 08 de dezembro de 1987. Diz minha mãe que era uma madrugada quente, como tem que ser as madrugadas de dezembro. Após meu nascimento, no acanhado Hospital Santa Rita de Cássia, uma chuva leve e refrescante caiu mansamente, molhando o chão e levantando o cheiro de terra molhada das ruas, que naquela época, eram, em boa parte, ainda de chão batido.

Meu pai, José dos Anjos Miranda, é ou era, não sei bem, pintor de paredes, mas o vi fazer tantas coisas diferentes na vida, que seria difícil descrever seu oficio. Minha mãe, Auria dos Santos Martins Pinto, é dona de casa. Sou o mais velho de seis irmãos. Quatro homens e duas mulheres. Uma delas nunca conheci, minha mãe, pobre de dar dó, a doou quando ela ainda era um bebê. Talvez algum dia, nesta vida cheia de surpresas, eu a encontre e possa dar-lhe um abraço.

Tive uma segunda mãe. Quando menino fui entregue para ser cuidado por dona Catarina da Luz, tornei-me filho dela e morei embaixo do seu teto por 8 anos. Lá Deus me deu mais uma irmã, que amo com tanta força quanto meus irmãos consanguíneos.

Estudei o primário e parte do ensino fundamental na Escola Maria Belmont Albert e depois concluí o ensino fundamental e completei o ensino básico no Escola Feliciano Jorge Alberto. Nessa mesma escola cursei parte do técnico em contabilidade.

Sou locutor de rádio desde os 14 anos. Apaixonado pela locução e pelo rádio tornei-me jornalista, profissão que milito e com a qual sustento a minha família. Com essa profissão passei pelas rádios Nova FM de Redentora, onde fui diretor, Progresso de Ijuí, Planeta de Miraguaí, Alto Uruguaí de Três Passos e Província de Tenente Portela, sendo que é através dos microfones dessa última que empresto a minha voz para a informação, publicidade e interatividade neste canto do mundo.

Pelo e por causa do Rádio entrevistei grandes parte dos políticos gaúchos relevantes dos últimos 15 anos. Entrevistei personalidades e pessoas comuns. Contei histórias felizes e tristes e sigo escrevendo e contando a minha própria história.

Meu pai sempre sonhou que me tornasse jogador de futebol. Não consegui a completar tal façanha. Tento me convencer que faltou oportunidades, mas quanto mais velho fico, percebo que na verdade faltou talento também, apesar de a experiência ter me ensinado que um não sobrevive sem o outro.

Não me tornei o novo Paulo Nunes, mas tenho algumas histórias para contar dos campos de várzea e de final de semana e isso já me basta. Como narrador, o rádio me levou a muitos locais e a diversos estádios e ginásios. Estive em Minas Gerais, Rio de Janeiro, Paraná e Buenos Aires apenas por causa do rádio. Foi através dele que conheci meus ídolos de infância, entre ele o próprio Paulo Nunes.

Desde garotinho tive uma paixão: a leitura. É estranho, porque é um hábito que não herdei de família, não recebi incentivo exagerado de ninguém, nem me espelhei em quem quer que seja. Descobri a leitura e com ela que poderia ser mais livre do que qualquer homem jamais foi; e a liberdade é a maior riqueza que podemos ter.

Por causa da minha paixão pelas letras estou cursando Português e Inglês, graduação que devo finalizar no final desse ano e por causa dela me tornei escritor e assim já lancei quatro livros: O primeiro suspiro de um poeta insano, 2011; A Torre, 2013; O Amar e o pensar do poeta insano, 2013, Crônicas Provincianas, 2018. Reconheço, nenhum dele é um grande primor e espero algum dia, escrever algo pelo qual possa ficar minimante em alguma lembrança quando me for.

Casei-me em 2021 com Keli Leticia Biguelini com quem tenho um filho, Leonard Benjamin Biguelini Martins. Hoje tudo que sonho é que meu filho seja muito mais do que eu jamais serei, afinal, o mundo seria muito melhor se todos fossemos apenas um rascunho do que tornar-se-iam nossos filhos.

Isso é um fragmento do que sou e aqui nesse espaço você encontra um pouco do que produzo e faço. Aqui você vai conhecer um pouco do meu trabalho como escritor, onde público minhas poesias, crônicas, contos e mensagens. Aqui também você vai encontrar meu blog, onde escrevo sobre assuntos do meu cotidiano, resenhas do que leio e assisto e ouço, e uma pitada de minha opinião sobre os mais diversos assuntos.

Sou locutor, jornalista, escritor, fotografo, designer, filho, irmão, pai e marido. Sou o que sou e amo o que sou, pois, sou um homem que ama o que faz, e um homem que ama o que faz, faz somente o que ama.