Um problema que o MDB precisa resolver

25/04/2022

Durante muitos anos o MDB não precisou se preocupar com o senado Pelo menos uma cadeira estava garantida com Pedro Simon, no entanto, o mais respeitado nome do MDB gaúcho se aposentou e o partido não conseguiu mais uma candidatura competitiva.

Em 2022 mais uma vez o maior partido do Rio Grande do Sul, não parece preocupado com recuperar a cadeira perdida. O ex-governador José Ivo Sartori, que era apontado como candidato e inclusive ainda aparece nas pesquisas, já gravou vídeo informando que não vai concorrer a nenhum cargo neste pleito. 

Em entrevista que fiz recentemente com Gabriel Souza, pré-candidato da sigla ao Governo do Estado, ele deixou claro que a única carta é o Sartori. Como Sartori já disse que não vai, então o partido não tem carta nenhuma. Souza me disse na entrevista que ainda é cedo, mas que sim, a vaga de senador, poderá ser colocada na mesa para atrair aliados.

Além de Sartori, outros três nomes poderiam aparecer como candidaturas viáveis, se tivessem sido trabalhadas  com tempo: Alceu Moreira, que perdeu a prévia para concorrer a governador, Osmar Terra que poderia se aproveitar da proximidade com Bolsonaro e Edson Brum que já tem bagagem eleitoral para galgar tal cargo.

Sejamos realistas. Os dois primeiros não deixarão de disputar as cadeiras na Câmara onde tem vagas virtualmente garantidas para se aventurar numa eleição acirrada com a entrada de Manuela D`Avila do PC do B e Hamilton Mourão do Republicanos. Já o terceiro vai para o Tribunal de Contas do Estado e é carta fora do jogo político gaúcho pelos próximos anos.

Se Sartori não mudar de ideia e as negociações não envolverem a vaga, aposto que o nome escolhido será de José Paulo Cairoli, que foi vice-governador de Sartori. Um bom nome, mas que não tem cacife eleitoral para bater com os concorrentes que se apresentam.

Parece que a vaga de senador não interessa para o MDB.