O cenário político em Tenente Portela

09/07/2020

Foto: Diones Roberto Becker
Foto: Diones Roberto Becker

Na semana passada entrevistei no programa Estação Província os presidentes e representante dos principais partidos, possivelmente, envolvidos na disputa pela prefeitura de Tenente Portela, sobre o movimento das siglas neste momento pré-eleitoral. Segue então a minha impressão sobre as entrevistas.

PSDB

Da sigla conversei com Rosemar Sala, que é o pré-candidato do partido para a disputa pela prefeitura. Sala deixou claro que o PSDB vai ser oposição do atual governo.

Ele se posicionou com força em relação ao movimento que está sendo feito pelo MDB de se aproximar com a situação, e inclusive falou em "porta fechada" para negociações com o partido, que até então liderava a oposição.

Minha Opinião: Sala é candidato a prefeito pela sigla e vai concorrer com chapa pura se precisar, no entanto, vai buscar o apoio de descontentes da aproximação entre MDB e PP.

Também senti que Rosemar tenta um acordo com o PT e aguarda o MDB. Quer dizer, se a negociação do partido de João Antônio com a situação não obter sucesso, ele ficará em uma posição confortável para futura possível negociação.

PP e MDB

Coloquei os dois partidos no mesmo tópicos, pois em relação as entrevistas, não dá para falar de um sem falar do outro, já que essa aproximação foi um dos centros das conversas.

Um detalhe que percebi e que acho que é o que mais importa é sobre a pergunta que fiz a ambos os presidentes: seu partido aceitaria ser vice?

O presidente do PP, Ercílio Neckel, escapou pela tangente e não respondeu. Por outro lado, ele não titubeou quando perguntado sobre os nomes do partido para concorrer a prefeito e cravou três nomes como opção, citados por ele nesta ordem: Solon Pereira, Cristiane Feyth e Élido Balestrin.

Já o presidente do MDB, Luís Augusto Bussanelo dos Santos, respondeu e disse que o partido aceitaria indicar o vice em uma chapa encabeçada pelo PP. Ele disse que o pré-candidato é o vereador João Antônio Gheller, mas também colocou o seu nome à disposição.

Minha opinião: PP jamais vai entregar a cabeça de chapa para o MDB e neste cenário, João Antônio deixou de ser pré-candidato a prefeito para se tornar pré-candidato a vice. O PP está trabalhando com o nome de Solon Pereira, mas se não acontecer, vai de Cristiane Feyth. Balestrin é última opção.

No MDB também notei que o presidente do partido carrega consigo o desejo de ser mais do que presidente. Ele apoia a pré-candidatura de João Antônio, mas está à disposição, como ele mesmo diz.

Se a negociação com o PP falhar, João Antônio, e até o presidente, vão ficar em uma situação bem complicada para emplacar uma candidatura própria.

PT

Paulo Goellner, disse que o partido trabalha para uma candidatura própria, com os advogados Felipe dos Santos e Lauro Brum como prefeito e vice respectivamente. Paulão, como é conhecido, também demonstrou um sentimento negativo em relação a situação e disse que o partido entende que foi traído, pois apoiou o projeto da atual situação, mas foi boicotado no momento em que chegou a sua vez de concorrer.

Minha Opinião: O PT é franco atirador e está aguardando o que vai acontecer, no entanto, mantém um plano montado. Se conseguir uma aliança favorável com outro partido, pode fazer, mas se assim não o for, já está pronto para concorrer sozinho.

PDT

Darlan Vargas deixou claro que o partido vai respeitar o acordo e apoiar uma candidatura do PP e estaria disposto a ficar sem o posto de vice em caso de um acerto com o MDB. O presidente não quis falar em nomes.

Minha Opinião: PDT está disposto ao sacrifício para tentar garantir uma eleição, no entanto, em caso de falhar a aproximação com o MDB vai indicar o vice para o PP. Neste momento eu diria que a reeleição está fora dos planos do atual prefeito Clairton Carboni. Esse cenário pode ou não mudar se o MDB voltar para a oposição.