As pessoas não fazem a sua parte

08/04/2020

Já faz um tempo que vem ocorrendo uma quebra de braço entre aqueles que acreditam no isolamento total e aqueles que acreditam que vai morrer quem tiver que morrer e não há o que fazer.

Com o afrouxamento do isolamento, uma coisa ficou clara: as pessoas não fazem a sua parte. Filas nos bancos, aglomerações e uma despreocupação das pessoas com o vírus.

Uma das razões é fato de que não existe uma unanimidade quanto a gravidade do Covid-19. Existe quem venda a ideia de que tudo não passa de uma artimanha para desestabilizar o governo. Usam inclusive dados de outras enfermidades para justificas que esse nem é tão grave assim.

É tipo assim: vai morrer seis ou sete mil pessoas, isso não é nada demais, o Brasil é grande, tem 210 milhões de habitantes.

E de fato, matematicamente eles têm razão. Seis ou sete mil em um universo de 210 milhões é um número baixo. Claro desde que você, seu filho, seus pais, seus amigos e todas as pessoas que são importantes para você não estejam entre esses poucos.

Vide o Equador onde não há mais caixão de madeira para enterrar as pessoas e nem carros funerários para recolher os corpos. Essa mesma situação foi verificada na Itália. Os Estados Unidos, maior potência do mundo, não consegue superar a pandemia. França e Espanha, também estão apanhando.

No entanto, por aqui, em terras tupiniquins, isso é tudo mentira. É apenas uma grande artimanha para desestabilizar o governo.